Um sonho compartilhado

Por Valquiria Vita

Quando éramos crianças, provar os vestidos antigos de festa das nossas tias, mães e avó era uma das nossas brincadeiras favoritas. Colocávamos prendedores de roupa nas costas para que o vestido ficasse justo, e meias no busto, para que ficasse com volume. 

Eu, minha irmã e minhas primas sempre tivemos uma relação muito próxima. E não só por causa da idade aproximada — porque já éramos todas adultas quando a Alice nasceu. Hoje, com 7 anos, Alice participa de todas as noites de “Janta das Primas”. Ficou extremamente chateada e com lágrimas nos olhos quando soube de um jantar em que não foi chamada. Desde lá, nunca mais ficou de fora dos encontros mensais. 

Na última janta do ano, e sabendo que tínhamos em minha casa um vestido Ana Dotto em uma caixa no closet (usado no meu casamento, em outubro), decidimos fazer algo diferente: ver como o vestido ficaria em cada uma delas. É uma pena (e isso toda noiva que eu já entrevistei confirma) ter um vestido tão importante, cheio de significado (e lindo!) para ser usado apenas uma vez na vida. 

Parecíamos aquelas meninas que brincavam com os vestidos da avó, só que dessa vez, bem maiores (e sem a necessidade dos prendedores e meias; com exceção da Alice, que caberia duas vezes dentro daquele vestido, se tivesse uma irmã gêmea). 

Foi interessante ver como cada uma com seu tipo de corpo (somos bem diferentes) se adaptou ao vestido. 

E foi emocionante perceber que todas sentiram a mesma empolgação de “vestir um vestido de noiva”, como eu senti nas provas no atelier na época da confecção. Foi demais ser noiva! Mas poder compartilhar isso com elas foi ainda mais especial. “Happiness is only real when shared”, diz aquela frase famosa. E o sorriso das fotos diz tudo: 

Minha irmã, Valéria
Minha prima Marina
Minha prima Bruna
Minha prima Alice

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Casamento civil no cartório: com que roupa eu vou?

Red Carpet!