Nayara Zolet

Dourado e azul. Nayara Zolet tinha certeza das cores vibrantes que queria ver em seu vestido de formatura. “E foi o vestido dos sonhos”, ela diz.

A formanda em engenharia civil organizou uma festa em Antônio Prado, “cidade pequena onde todo mundo se conhece”, e onde vários comentaram: “‘Meu Deus, onde tu fez este vestido’”, conta Nayara, orgulhosa do resultado.  

Para ela, o vestido era o mais importante de toda a formatura. Desde o início no processo no atelier ela contou que o modelo era a prioridade e que havia cortado gastos de todos os outros ítens da festa para poder fazer o vestido exatamente como idealizava. “Sempre tive essa vontade de fazer um vestido especial de formatura”, diz. “Porque a formanda é o centro das atenções na festa. Então o vestido precisa estar perfeito.”

Além de ter idealizado as cores do vestido, Nayara tinha a certeza de que precisaria fazê-lo sob medida, por ter dificuldade em encontrar roupas prontas que gosta e que caiam bem no corpo. “Eu já estava pesquisando modelos que gostava há bastante tempo quando vi um vestido da Ana Dotto postado no Instagram, de outra formanda, que era mais ou menos como eu gostaria. Marquei um horário e ela desenhou o vestido para mim, com as cores que eu queria. Na primeira prova, mesmo sem bordar, já estava lindo! Ficou como eu sempre imaginei. Todo mundo costuma seguir cores neutras e eu cheguei na festa com um vestido azul e dourado, foi bem diferente do usual e do que as pessoas estavam esperando. Fiquei muito feliz”.

Para nós do atelier, melhor do que a sensação de saber que Nayara ficou super satisfeita com o vestido é a de saber que ela já pretende voltar! “Já estou pensando no meu vestido de noiva!”, diz ela. “Ano que vem, pretendo casar. E o vestido também vai ser a prioridade”.

 

Vestido: Ana Dotto Atelier

Make e cabelo: Simone Ravanello

Fotografia: Estúdio Imagem

Local: Nostra Cantina, Antônio Prado

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

“A perfeição não existe”- Entrevista com Daiana Garbin

Maiara Huber