Gisele Tonatto

Gisele Tonatto e Fábio Vicenzi não fazem o estilo de um casal comum. Seja pelas coincidências ou pelos acontecimentos da vida. O início do namoro foi assim, incomum, com um acidente de trânsito em Garibaldi.

Os dois foram para o aniversário de um amigo de Gisele. Como Fábio não conhecia a cidade, ela resolveu apresentar um pouco do lugar. Estavam de carro, ele dirigindo e ela de carona. Quando, de repente, se ouviu um estouro atrás deles: uma pessoa tinha colidido na parte traseira do veículo. Foi feito até um B.O. 

“No fim, a gente nem foi pra festa e ficamos conversando em um lugar bem legal, que tem vista para cidade. Foi incrível, porque tivemos muitas trocas, e ali rolou o primeiro beijo.”

Mas, a relação entre os dois começou antes. Eles se conheceram em uma antiga festa em Caxias, chamada Havana. Ela lembra até da data: foi na madrugada de um dia 11 para um dia 12. Casualmente, os dois fazem aniversário nesses dias: Fábio, dia 11 de março, e Gisele, um dia depois.

Gisele ama essa sinergia que os dois possuem desde o primeiro encontro:

“Eu gosto muito disso que temos, porque ele tem a inicial F e eu, logo depois, com o G. Ganhamos nosso cachorro e ele nasceu no dia 12/06/2015, na mesma data do nosso aniversário de namoro, e, ainda, temos uma manchinha na palma da mão esquerda.”

Coincidências que os levaram a viajar para Havana, em Cuba, para comemorar seus respectivos aniversários. Era o momento perfeito para um pedido de casamento, até porque, alguns dias antes, na sua festa de 30 anos, Gisele ouviu de uma amiga que Fábio estava preparando uma surpresa especial para ela e tinha certeza que era o pedido. 

“Eu não acreditei muito, mas eu lembrei que fomos no shopping, duas semanas antes do nosso aniversário, e passamos na frente de uma loja de joias e ele me perguntou que tipo de aliança eu gostava. Era certo que ia ser pedida em casamento na viagem!”

Chegaram em Havana no dia do aniversário de Fábio. Um dia depois, eles foram passear pelo centro histórico da cidade.

“Ele disse que era pra gente voltar ao hotel, para se arrumar para o jantar. Quando chegamos, o Fábio disse para gente ir no terraço, que tinha uma cúpula linda.”

Era a hora! Ela foi ao banheiro para trocar de roupa e retocar a maquiagem. Estava nervosa, mas feliz que iria oficializar o noivado. 

“Subimos pro terraço. O Fábio disse pra gente ver a cúpula e eu fui na frente dele. Quando estou subindo as escadas, ele disse ‘mor’, eu olho pra trás, aí ele tira um negócio do bolso… e pediu se eu tinha isqueiro, porque ele estava com um charuto na mão. E eu achando que ele ia me pedir em casamento naquela hora…”

O pedido veio só um ano depois, em março de 2019. Gisele estava em casa, depois de um dia cheio de trabalho. Fábio disse para ela ficar tranquila, porque os dois iriam viajar no dia seguinte. Como Gisele não conseguiu marcar manicure, ela precisou fazer as próprias unhas. Fábio quis ficar responsável pela janta e pediu para Gisele ir até o quarto para pintar as unhas.

“Ele pediu uma barca de sushi às 19h, só que os restaurantes de sushi abrem às 19h30, aí pensei que devia ser coisa da minha cabeça. Quando percebi, ele me trancou no quarto e colocou uma música cubana muito alta.”

Ela foi vendada até a sala de jantar, onde tem um aparador com espelhos. Fábio retirou as vendas e a colocou em frente a este aparador, em que tinha balões escritos “Havana” e outros em formato de coração espalhados pelo cômodo. 

“Estava tentando entender a situação. O Fábio me perguntou se eu tinha um isqueiro, eu comecei a rir, olhei pra trás, ele já tava ajoelhado, com uma caixinha aberta. Nessa hora, ele me pediu em casamento. Foi super fofo, ele transformou um momento ruim em uma linda comédia romântica.”

Feito o pedido, começou a saga pelo vestido de casamento. Gisele já conhecia o trabalho da Ana Dotto Atelier e teve um contato mais direto por uma ação na rede social. Ela nunca teve o sonho de casar, não se imaginava com um vestido de noiva, apenas idealizou esse mundo quando conheceu o Fábio. Então, foi uma visita à Ana Dotto para ter o vestido desejado.

“A Ana mudou todo meu conceito de vestido. No Atelier, ela tinha um corpete que quis experimentar e gostei muito. A partir disso, queria um vestido mais justo, que não fosse tão fluido, mas que tivesse uma leveza, uma fenda, que deixasse o traje sexy, mas, ao mesmo tempo, elegante. A questão do bordado não iria ter, mas ela veio com uma renda delicada que deu esse toque de graciosidade ao vestido”

Com o vestido pronto, faltava o local para o casamento. Gisele e Fábio escolheram uma cerimônia ao ar livre, no Vale dos Vinhedos, para que os convidados se conectassem com a natureza e o momento vivido pelo casal. Foi até invertida a lógica do casório, com os dois começando pela dança antes da cerimônia. Canções de Frank Sinatra e Nina Simone, interpretada por Joss Stone, embalaram a entrada dos noivos. 

Depois disso? A diversão tomou conta do recinto…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ana Dotto escolhe: os melhores vestidos do Oscar 2022

Betina Crossetti Vaucher da Cunha